A PF na época dos governos FHC não passava de uma polícia que nada investigava. Os crimes de colarinho branco eram costumeiramente jogados para debaixo do tapete e engavetados. Tinha a figura folclórica mas que demonstrava o tamanho do esquema de esconder os podres daquela república: O Engavetador Geral da República, o sr. Geraldo Brindeiro.

Com a era Lula a PF ganhou de fato autonomia, orçamento compatível com suas funções. Idem para o Ministério Público Federal. Todo um aparato legal foi criado. Então, o que ficava debaixo do tapete começou a aparecer. Sujeira e mais sujeira. Mas a população instigada pela direita oportunista e por erros de comunicação no governo petista induziu a população a crer que a corrupção aumentara. Evidentemente insuflado por mídias capitalistas como as organizações Globo.

Em 2016, a PF e o MPF se locupletaram. Aparelhados e mostrando claramente um alinhamento político com os partidos reacionários como o PSDB, conduziram espetáculos degradantes, como a condução coercitiva de Lula, previamente avisada à Globo, e as escandalosas escutas ilegais da Presidente Dilma Rousseff por ordem de Sergio Moro, que as vazou para a imprensa e mais tarde foi somente foi levemente censurado pelo STF, que lhe passou a mão na cabeça. Outras barbáries prosseguem ainda hoje, como a perseguição judicial – política a Lula (Lawfare ), o caso da Dona Marisa, o “perdão” a Claudia Cruz e outras e outras barbáries mais.

Temer está sob os holofotes dos escândalos faz algum tempo. Ele cai e não cai. Mas tenta não cair. Para tal, em represália, cortou o orçamento da PF em 40% e agora troca o ministro da justiça à dedo, colocando Torquato Jardim e dando-lhe carta branca para desmontar a estrutura de comando da PF e voltar à alinhar em torno dele, para tentar livrá-lo das acusações e consequente cassação pelo parlamento. O novo ministro é bem adestrado. Como mostra o Brasil 247, em obediência ao chefe, já fala em substituir o comando da PF, que em outras palavras significa novamente aparelhar a PF como fazia FHC e desqualificar as denúncias e os bombásticos áudios de Joesley Batista.

Nós defendemos que a PF e o MPF atuem conforme manda a lei, isto é, de forma apartidária, de forma justa. Ela – PF – e o MPF hoje não desempenham as suas funções com a isenção que a sociedade exige. Mas não podemos aceitar que lhes amordacem em proveito próprio daqueles que são investigados. Que estão sub judice. Isso não pode voltar a acontecer.